100 anos da imigração japonesa

Decoração japonesa elimina o excesso Toque nipônico pede economia no número de peças, mas não faz restrição à alta tecnologia de eletrônicos


 
Patricia Stavis/Folha Imagem

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Ricardo Caminada fez uma sala de TV com tatame e "futon"; à direita, detalhes do projeto


ROSANGELA DE MOURA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

A chegada dos japoneses em 1908 trouxe miscigenação não só para a população. Muda até hoje os traços da decoração de casas brasileiras, até de quem não tem origem nipônica.
Mas quem busca o equilíbrio oriental em peças e móveis deve lembrar que a harmonia pede simplicidade e moderação -menos no que diz respeito à tecnologia dos eletrônicos.
"Tudo é muito pessoal e deve ser inserido na decoração de uma forma coerente, com identificação à proposta do ambiente e fazendo parte do modo de vida das pessoas", comenta a arquiteta Maristela Gorayeb.
Assim, futon e mesa de chá, por exemplo, não podem ficar ao lado de móveis volumosos. "A decoração com influência japonesa precisa ser a mais simples possível, sem excessos e com objetos básicos", reforça o arquiteto Ricardo Caminada.
Foram esses os princípios que seguiu ao orientalizar um apartamento na Vila Madalena. "Minha cliente é uma mergulhadora que sempre gostou desse estilo", conta. "Resolvi criar ambientes com móveis simples e linhas retas."
Foi quebrada a parede de um dos quartos, que passou a formar um espaço único com a sala de estar -virou uma sala de televisão, com tatame, "futon" e almofadas no chão.
A mobília a pouca altura do piso, por sinal, é um recurso para aumentar o espaço de apartamentos com pé-direito baixo.
Uma das paredes da sala de TV foi pintada com um desenho de ramos de bambu. Sobre a mesa da sala de jantar, pende uma luminária de superfície acetinada, semelhante a um casulo, com luz suave e uniforme.
Gorayeb acrescenta que a alta tecnologia, também característica japonesa, pode se misturar a objetos ancestrais: uma TV moderna de plasma é assistida de um "futon" no chão.

Luz
As luminárias de estilo oriental podem ser instaladas ao lado do sofá, no corredor, nos quartos e no lavabo, mas devem ser evitadas na cozinha, sobretudo se feitas de papel-arroz, e nos banheiros em que o chuveiro não fica isolado no boxe.
Dependendo da lâmpada que for usada, as lumináris terão finalidades diversas. Uma luz mais fraca, em tom amarelado, é indicada para deixar o ambiente aconchegante, como em um local de meditação. Para leitura, um timer controla a intensidade da luz.

 
 


Notícias direto do New York Times, gols do Lance, videocassetadas e muitos outros vídeos no MSN Videos! Confira já!

Lohren Beauty

Nenhum comentário:

Postar um comentário