Campinas sedia Conferência de Segurança Pública & Juventude LGBT

Adolescentes e jovens definiram como o Estado deve combater a homofobia
  Sob o tema "Segurança para Ser o que Somos", 48 delegados de todo o estado de SP se reuniram no domingo (26), em Campinas, para discutir homofobia, juventude e segurança pública. Os participantes da Conferência Livre de Segurança Pública & Juventude LGBT, selecionados dentre grupos de jovens LGBT de Araras, Campinas, Guarujá, Guarulhos, Paulínia, São Bernardo do Campo, São Carlos, São Paulo, São Vicente e Sorocaba, debateram e definiram, juntamente com membros do Executivo e do Legislativo campineiro, princípios e diretrizes para melhorar o combate à homofobia no país.

A conferência foi organizada pelo Grupo E-jovem, com apoio da 1a. Conseg - Conferência Nacional de Segurança Pública, do Fórum Paulista de Juventude LGBT, do Canal Futura, do Sindicato dos Frentistas e do Vereador Sérgio Benassi (PCdoB). Confira abaixo como foi.

Talk Drag Show
Logo cedo, foram todos recepcionados pela drag queen Lohren Beauty, presidente do E-jovem,que entrevistou os convidados numa espécie de talk show, abrindo para perguntas dos participantes. "Muito melhor um bate papo desconstraído do que aquela chatice de mesa de abertura e blablablás intermináveis," disse a drag-ativista.


Paulo Reis, coordenador do Centro de Referência LGBT da Prefeitura de Campinas, declarou que os jovens precisam saber que se não denunciam a homofobia, é como se ela não existisse. "Políticas públicas se fazem com dados e os dados da violência sofrida pela comunidade LGBT é a própria população LGBT que fornece."


Já o vereador Thiago Ferrari (PMDB), fez questão de comentar que quando apoiou a juventude durante a Parada LGBT de Campinas, ele mesmo foi vítima de discriminação. "Mesmo sendo heterossexual, ouvi piadinhas. Mas sou contra qualquer forma de discriminação e continuarei apoiando."


O vereador Sérgio Benassi (PCdoB), além de apoiar o evento, também fez questão de comparecer e dar o seu recado. "Há 20 anos atrás, um encontro como esse seria impensável. Esse é o caminho, se quisermos mudar esse Sistema que se alimenta da discriminação. A luta dos que são contra os direitos dos homossexuais é uma luta perdida."


A abertura do evento contou ainda com o lançamento do filme "SEGURANÇA para SER o que SOMOS", curta-metragem produzido pelos adolescentes do projeto Galera E-jovem, e com um pocket-show da drag teen Linxel Lopes (na foto, entre Lohren Beauty e Pikeno Beauty).

Os trabalhos


Os delegados então se dividiram em grupos para pôr a mão na massa. Ao longo de todo o dia, discutiram a homofobia sofrida pelos jovens nas escolas, nas ruas e até dentro de casa, quais as responsabilidades do Governo e quais as da Sociedade e como isso muda com relação às classes sociais. Identificaram os problemas e propuseram soluções. 


Toda essa discussão teve ainda o apoio de Silvia Frei de Sá, da equipe de mobilização do Canal Futura, que exibiu o vídeo "Abordagem Policial", produzido pelo canal, acompanhou de perto todos os grupos e gostou muito do que viu. "Principalmente o filme que os meninos fizeram, é exatamente o tipo de material que o Canal Futura procura. Seria exibido tranquilamente"


"A Conferência foi um grande ganho para a Juventude LGBT pois todas as propostas foram feitas pelos próprios adolescentes, baseados em suas realidades," afirmou Lohren Beauty. "Se isso os incentivou a pensar em mudar algo em suas vidas, já valeu a pena."

Carta de Campinas
No fim esses foram os sete princípios que deveriam ser abraçados pela Segurança Pública, de acordo com a Juventude LGBT - e as 21 diretrizes para se atingir esse objetivo:


"Nós, adolescentes e jovens do Estado de SP, reunidos em Campinas para a Conferência Livre de Segurança Pública e Juventude LGBT, organizada pelo Grupo E-JOVEM, deliberamos que:

PRINCÍPIOS
A Segurança Pública DEVE:

• Ser menos homofóbica
• Ajudar a diminuir a desigualdade social
• Ser acessível a todos
• Ter trabalhos de conscientização junto à sociedade
• Ter um caráter mais preventivo do que corretivo em relação à violência
• Capacitar permanentemente seus agentes para que impeçam a prática da homofobia
• Mobilizar Guardas Municipais e Policiais Civis e Militares, em geral, em relação aos direitos de proteção dos LGBT

DIRETRIZES
Para que isso ocorra, o Estado deve:

• Articular com os diversos setores do poder público a aprovação do PLC 122/06, que inclui a orientação sexual e a identidade de gênero entre as características protegidas de discriminação;
• Realizar palestras e encontros de treinamento para policiais, delegados e demais agentes de segurança pública visando a mudança de mentalidade dos mesmos em relação aos homossexuais;
• Investir em recrutamento e seleção de policias, visando identificar personalidades homofóbicas e não efetivando pessoas com esse perfil;
• Divulgação dessas e de outras ações de combate à homofobia em vídeos e banners para a conscientização geral;
• Capacitar policiais para tender de forma igualitária a população, independente de classe social, orientação sexual ou qualquer outra característica;
• Financiar cursos de capacitação para agentes de segurança pública, oferecido por ONGs LGBT;
• Ter programas que incentivem a aproximação entre policiais e a sociedade, de forma que esses agentes conheçam melhor os membros da comunidade na qual trabalham, fortalecendo a confiança em ambas as partes;
• Criar uma Coordenadoria específica para monitorar esse treinamento em Direitos LGBT e o combate à Homofobia dentro dos órgãos de Segurança Pública; 
• Mudar a forma de abordagem policial com relação aos LGBT, principalmente às travestis, que só deveriam ser abordadas por policias femininas;
• Criar e implantar programs anti-homofobia nas escolas;
• Divulgar os direitos da população LGBT nas escolas e dar condições para que os alunos exerçam esses direitos sem homofobia;
• Promover, nas escolas, grupos de discussão para formação e informação de jovens que desejem combater a homofobia;
• Educar para a segurança, incluindo essa temática no currículo de escolas e faculdades.
• Realizar campanhas contra a homofobia na TV e em outras mídias;
• Criar uma delegacia especializada para crimes de homofobia e violência contra LGBT;
• Convocar pais e/ou responsáveis por crianças e adolescentes para participarem de debates e palestras sobre a população LGBT e o combate à homofobia na comunidade;
• Divulgar, através da mídia em geral, nas comunidades e em todo o país, a existência e os trabalhos dos grupos de apoio ao movimento LGBT;
• Criar projetos que aumentem e facilitem o contato e aproximação da sociedade com a população LGBT;
• Financiar campanhas educativas desenvolvidas por ONGs especializadas em trabalho anti-homofobia;
• Implantar programas de geração de renda e inclusão social para pessoas em situação de risco, com ênfase em pessoas que sofrem discriminação em virtude de sua orientação sexual e identidade de gênero, evitando que tais pessoas refugiem-se na criminalidade como meio de vida;
• Divulgar maciçamente, na mídia, todos os projetos e ações contra a homofobia desenvolvidos pelo Estado.


Campinas, 26 de julho de 2009"


Instale o novo Internet Explorer 8 otimizado para o MSN. Download aqui

Lohren Beauty

Nenhum comentário:

Postar um comentário